Coletivo Feminino Plural contribui com plano nacional de proteção a defensoras e defensores de DH

Camila Silva com informações do Ministério Público Federal.

No dia 18 de maio, a coordenadora de projetos do Coletivo Feminino Plural e integrante do Conselho Estadual de Direitos Humanos do Rio Grande do Sul, Cris Bruel esteve presente na audiência pública do Ministério Público Federal que debateu com a sociedade civil a criação de um plano nacional de proteção permanente aos defensores de Direitos Humanos no país. Integraram as mesas de debates do auditório da Procuradoria Regional da República na 4° Região, em Porto Alegre representantes dos principais órgãos públicos que trabalham com o tema, organizações não-governamentais e movimentos sociais.

Cris apresentou as diversas demandas e receios das mulheres defensoras dos diretos humanos. “As pessoas que têm essa representatividade em lugares de defasa de direitos humanos, acabam sofrendo penalizações”, afirma a coordenadora.

A motivação principal para a realização da audiência nasceu em dezembro de 2017 quando a Anistia Internacional apontou o Brasil como o país que mais mata defensores de Direitos Humanos nas Américas. Até agosto de 2017, o país somava 58 mortos.

Os assuntos debatidos foram registrados em um documento anexado à Ação Civil Pública que tramita no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, visando que a União seja obrigada a adotar medidas para consolidar o Plano Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos.

Post a Comment

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support