Nossos Direitos

O que diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos?
A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em dezembro de 1948, trata dos direitos humanos básicos: SAÚDE e BEM ESTAR, ALIMENTAÇÃO, VESTUÁRIO, HABITAÇÃO, SERVIÇOS SOCIAIS, SEGURANÇA.
Segundo ela, todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos, sem distinção de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião pública, origem nacional ou social, riqueza, nascimento ou qualquer outra condição.

O que diz a Constituição Federal do Brasil?
A Constituição da República Federativa do Brasil, revisada em 1988, nos traz que: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição; ….”

O que diz o Plano Nacional de Políticas para Mulheres?
Elaborado através de processo participativo, a partir de resoluções aprovadas na 3ª. Conferência Nacional de Políticas para Mulheres em 2011, o Plano traz princípios orientadores da Política Nacional para as Mulheres:
– autonomia das mulheres em todas as dimensões da vida;
– busca da igualdade efetiva entre mulheres e homens em todos os âmbitos;
-respeito à diversidade e combate à todas as formas de discriminação;
-caráter laico do Estado;
-Universalidade dos serviços e benefícios ofertados pelo Estado;
-Participação ativa das mulheres em todas as fases das políticas públicas;
-Transversalidade como princípio orientador de todas as políticas públicas.

 

Afinal, que direitos são estes?

Direito ao Acesso e Igualdade no mundo do trabalho e Autonomia Econômica das mulheres urbanas, do campo, da floresta e de comunidades tradicionais – ações específicas para eliminar a divisão sexual do trabalho, ênfase nas políticas de erradicação da pobreza e valorização das mulheres no desenvolvimento do país, levando ao desenvolvimento sustentável com igualdade econômica e social.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
* Decreto-lei 5452/1943, revisado em 2018, aprova a CLT-Consolidação das Leis do Trabalho, que regula as relações individuais e coletivas de trabalho. Seu artigo 5º. prevê: “A todo trabalho de igual valor corresponderá salário igual, sem distinção de sexo.” Outros artigos preveem os direitos das mulheres trabalhadoras, condições, jornadas, remuneração, aposentadoria, sejam elas urbanas ou rurais.
* As servidoras públicas têm legislação específica para cada nível de atuação profissional, federal, estadual ou municipal.

– Direito à Saúde integral das mulheres, direitos sexuais e reprodutivos – melhoria das condições de vida e saúde em todas as fases do ciclo vital, garantindo direitos sexuais e reprodutivos e outros legalmente constituídos, ampliando acesso aos meios e serviços de promoção, prevenção e assistência de saúde integral da mulher, resguardadas as identidades e especificidades de gênero, raça, etnia, geração, classe social, orientação sexual e presença de deficiências.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
* Constituição Federal – Art. 6º – “São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.”
Art. 196 – “A Saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.”
* Lei Complementar 8080/1990 – que dispõe sobre condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e funcionamento dos serviços correspondentes, a partir do SUS-Sistema Único de Saúde;
Carta dos Direitos e Deveres dos Usuários do SUS – Leia o documento na íntegra aqui: http://portalms.saude.gov.br/sistema-unico-de-saude/carta-dos-direitos-do-usuario
* PAISM e PNAISM – Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher – que definem ações de atenção clínico-ginecológica; de assistência em planejamento familiar e reprodutivo; de atenção obstétrica e neo-natal, inclusive ao abortamento; da atenção às situações de violência doméstica e sexual; de prevenção e controle de DST e HIV; de prevenção de morbi-mortalidade por câncer; de saúde mental com enfoque de gênero; de ações de saúde no climatério e na terceira idade; de ações de saúde para mulher negra, mulher indígena, mulher do campo e da cidade, mulheres em situação de prisão; que fortalecem a participação e controle social na implementação das políticas;
* Planos de saúde devem ser elaborados pelos municípios, estados e o Brasil para dar conta da realidade da sua população, a serem avaliados pelos Conselhos municipais, estaduais e Nacional de Saúde.
* Além disto, as Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas podem apresentar e aprovar leis e decretos com pautas locais específicas, que devem ser divulgadas à população.
* Para denúncias de mau funcionamento da rede de saúde, existe uma Ouvidoria do SUS através do telefone 136 e Ouvidorias junto a Secretarias Municipais de Saúde e alguns hospitais.
* Decreto-lei 2848/1940-Código Penal + ADPF(Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) 54/2012, que garantem a interrupção da gestação nas situações previstas em lei: gravidez resultante de estupro; risco de vida para a mulher causado pela gravidez; e feto anencefálico (sem cérebro).

– Direito à Educação para igualdade e cidadania – com redução da desigualdade entre homens e mulheres, enfrentamento do preconceito e discriminações por meio da formação de agentes públicos, consolidar na política educacional todas as perspectivas e especificidades e o respeito à diversidade, promovendo acesso e permanência de todas as mulheres numa educação de qualidade.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
* Constituição Federal – Art. 205 -.” A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.”
* Lei 9394/1996 – estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, nos níveis básico e superior.
Assim como a saúde, a educação prevê legislações estaduais e municipais que dêem conta das realidades locais.

– Direito à Prevenção e Enfrentamento de Todas as Formas de Discriminação e Violência contra as Mulheres, visando a reduzir os índices de todas as formas de violência contra nós, o que inclui enfrentamento ao racismo, sexismo e lesbo e transfobia.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
Além do que está previsto na Constituição Federal, outras leis relacionadas a discriminação e violência são importantes para as mulheres.
* Lei 11340/2006 – Lei Maria da Penha – que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, dispondo sobre a necessidade de criação da Rede de enfrentamento à violência contra a mulher e estabelecendo medidas de assistência e proteção às mulheres que dela necessitem.
* Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, de 2007, onde fica melhor definido pelos governos federal, estaduais e municipais, como deveriam ser implementadas as políticas públicas necessárias ao atendimento das situações de violência vividas pelas mulheres.
* Lei 13104/2015 – Lei do feminicídio – que altera artigo do Código Penal para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, incluindo-o no rol dos crimes hediondos.
* Lei 12845/2013 – Lei da violência sexual, dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual pelo SUS.
No RS, último estado brasileiro a aderir ao Pacto Nacional, em 2013, foi instituída a Rede Lilás-Rede de Enfrentamento e Atendimento Especializado às Mulheres em Situação de Violência e criado o Comitê Rede Lilás, com a finalidade de acompanhar a implementação do seu protocolo de fluxos.
A Lei 14352/2013 estabeleceu a Política Estadual de Atendimento Integrado às Mulheres Vítimas de Violência e a Lei 14279/2013 instituiu a Política estadual de Atendimento Imediato, de Urgência e Emergência às Mulheres em situação de Violência Física, Sexual e Psíquica do RS.
Para dar conta das denúncias, em caso de mau funcionamento da Rede de atendimento, foram instituídas a Central de atendimento à mulher – telefone 180, vinculada à Secretaria de Políticas para Mulheres e a Escuta Lilás – 08005410803, vinculada ao Centro de Referência à Mulher Vânia Araújo Machado, no RS.

– Direito à cultura, esporte, comunicação e mídia, contribuindo para a construção de cultura igualitária, democrática e não reprodutora de estereótipos, visibilidade da contribuição cultural das mulheres e acesso aos meios de produção cultural e de conteúdo, maior participação e inserção igualitária no esporte e no lazer.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
* Constituição Federal – Art. 215. “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.”
Art. 220 – “A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.”

– Direito à igualdade para as mulheres jovens, idosas e com deficiência, garantindo seu protagonismo na elaboração, monitoramento e avaliação das políticas públicas e seu acesso a políticas, equipamentos e serviços públicos.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
* Lei 8842/1994 – Política Nacional do Idoso
* Lei 10741/2003 – Estatuto do Idoso
* Constituição Federal – Art. 230 – “A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida.”
* Lei 13146/2015 – Estatuto da Pessoa com Deficiência – institui a Lei brasileira de inclusão da Pessoa com Deficiência, destinada a assegurar e promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando sua inclusão social e cidadania.

– Direito à Habitação e aos Serviços Sociais que sejam necessários para superar as adversidades surgidas ao longo da vida das mulheres.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
*Constituição Federal – Art. 203. “A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e tem por objetivos:
I – a proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice;
II – o amparo às crianças e adolescentes carentes;
III – a promoção da integração ao mercado de trabalho;
IV – a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária;
V – a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei.”

– Direito à Segurança

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
* Constituição Federal – Art. 144. “A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio …..”
Outras legislações de nível federal e estadual definem como devem ser desenvolvidas as ações com vistas ao cumprimento do preceito constitucional.

– Direito à Liberdade para todas as mulheres, segundo critérios da Constituição Federal e legislações vigentes.

– Direito ao fortalecimento e participação das mulheres nos espaços de poder e decisão, buscando a participação igualitária, plural e multirracial das mulheres nestes espaços, voltada para a construção de valores e atitudes igualitárias e democráticas e de políticas para a igualdade.

Veja quais as leis que nos garantem esse direito:
Constituição Federal e legislações específicas sobre o sistema eleitoral brasileiro.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support