PROGRAMAS E PROJETOS

 

Para o fortalecimento das mulheres, adolescentes e jovens para o ativismo feminista em defesa de direitos e da cidadania, além das ações de ativismo, a organização mantém programas e projetos.

Entre os projetos desenvolvidos pela organização, destacam-se:

  • Meninas e meninos desaparecidos, o direito de ser encontrado. Projeto de advocacy para a implementação da Lei de Busca Imediata de Crianças e Adolescentes desaparecidos. Apoio Amencar, Kindernothilfe – KNH – Comunidade Europeia.
  • Meninas Sabidas: Protagonismo Juvenil em Acessibilidade Digital, projeto realizado na Vila Cruzeiro (Zona Sul) 2003, em parceria com a Associação de Moradores, autofinanciado.
  • Jovens Mães para a cidadania, projeto em parceria com o Centro Infantil Juvenil Monteiro Lobato e apoio da Rede de Saúde das Mulheres Latino americanas e do Caribe, Restinga, 2004, objetivando fortalecer adolescentes grávidas ou mães.
  • Rede Menina – Capacitação e articulação de agentes governamentais e não governamentais sobre violência sexual contra meninas. Amencar, KNH, Niem/UFRGS, CMDCA, CEDICA, órgãos do governo estadual. 2005/2006.
  • Adolescentes e jovens construindo a cidadania, Parceria com o Centro Infantil Juvenil Monteiro Lobato e apoio do Imama/Rede Parceria Social, Restinga, 2008, objetivando difundir e promover direitos, com acesso digital.
  • Campanha Ponto Final na Violência Contra Mulheres e Meninas, em âmbito nacional, com incidência local, desenvolvendo ferramentas para aplicação de metodologia de prevenção primária à violência, ação de em diversos níveis com etapas e fases e capacitação de educadores/as, crianças, adolescentes, homens e mulheres em direitos humanos das mulheres. OXFAM. 2008-2012.
  • O Programa Escola Lilás de Direitos Humanos de educação de jovens mulheres de contextos diferenciados para o exercício dos direitos humanos e do protagonismo é a consolidação desse esforço. Com esse nome realizou-se a primeira edição, em 2009/2010, reuniu universitárias e jovens da Restinga para formação em Direitos Humanos, com metodologia feminista. O projeto se repetiu em 2012. Entre 2015 e 2016, o programa ocorreu no bairro Restinga e contou com o apoio da Vara de Execuções Penais e Medidas Alternativas (Vepma) do Tribunal de Justiça do Estado (TJ/RS) para a realização de Oficinas sobre Direito e Teatro.
  • Em 2013, o Coletivo Feminino Plural, firmou convênio com a Secretaria Estadual de Cultura do RS e o Ministério da Cultura, através do Programa Cultura Viva que, atualmente, passa a vigorar na legislação brasileira como a Lei Cultura Viva, para o desenvolvimento de ações educativas, culturais e de formação em direitos humanos de mulheres e meninas na Restinga com o projeto Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão.

Com atividades iniciadas em 2014, o projeto Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão conta com forte vínculo junto a diferentes territórios da cidade, instituições, lideranças comunitárias e artistas da Capital. Desde o seu início, o projeto mantém a realização de atividades de forma descentralizada na cidade, porém, com foco nas comunidades de periferia, em especial na Restinga, tendo promovido atividades de formação da equipe e de lideranças locais, rodas de conversa, saraus literários, oficinas literárias, de Hip Hop, de ativismo digital, artes cênicas e um Festival #Artivismo Feminista com programação diversa. Todas as ações visam contemplar temas atuais ligados aos direitos humanos das mulheres sobre seus corpos, a valorização da cultura popular, o protagonismo das meninas e mulheres negras, das periferias, das mulheres com deficiência e outras minorias sociais.

 

  • Mandala da Diversidade: Nossas Diferenças, Nossa Fortaleza. Realizado com o apoio da FASE – Federação de Órgãos para Assistenância Social e Educacional, promoveu o empoderamento de jovens mulheres de 13 a 18 anos na cidade de Porto Alegre (RS) no campo do ativismo feminista, considerando a diversidade das mulheres.

 

  • Mulheres, Cidadãs que Podem com vistas ao empoderamento político das mulheres que desejam candidatar-se a cargos públicos e/ou ocupar espaços de decisão política (SPM/PR).

 

  • Todas São Todas: Inclusão do enfoque de deficiências nas políticas para as mulheres” – apoiado pelo Fundo Elas/Fundo Fale sem Medo/Avon. Parceria com o Grupo Inclusivass, criado a partir de estratégia do Coletivo Feminino Plural, formado por mulheres com deficiência ativistas no movimento de mulheres e de pessoas com deficiência, e que propõe a acessibilidade universal a todas as políticas públicas de gênero e o enfoque de gênero nas políticas para pessoas com deficiência.

 

  • Entre Mulheres – parceria com o Núcleo de Estudos da Prostituição (NEP) e apoio do Fundo Social ELAS e Instituto Avon (2018) e a Fundação Luterana de Diaconia/ACTS (RS) – 2017, visa fortalecer a agenda das trabalhadoras sexuais com ações no Espaço Gabriela Leite, criado para formação em gênero e feminismo.

 

  • Acervo Feminista Enid Backes – contém acervo especializado em gênero e feminismo; articula-se com o eixo de fortalecimento institucional.

 

  • Grupo de Estudos Feminino Plural – para a formação feminista e fortalecimento político/institucional do CFP.

 

  • Serviço de Acolhimento às Mulheres em Situação de Violência do Centro de Referência para Mulheres Vítimas de Violência de Canoas (RS) CRM Patrícia Esber – desde a fundação, em 2011, coordena o CRM para o qual desenvolveu e continua aprimorando metodologias de atenção, trabalho em rede e tecnologias sociais inovadoras.

 

  • Gênero e Saúde Mental (Girassóis) – proposta de Linha de Cuidado com enfoque de gênero (SPM/PR).

 

  • Conexões – Ações integradas de enfrentamento à Violência de Gênero e ao HIV, vinculada à Campanha Women Won’t Wait.
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support