16dias ativismo_CAMPANHAS

Desde 1991 se desenvolve internacionalmente a Campanha dos 16 Dias de Ativismo Contra a Violência de Gênero, uma iniciativa do Instituto pela Liderança Global das Mulheres (Women´s Global Leadership Institute).

O seu objetivo é estabelecer um elo simbólico entre violência de gênero e direitos humanos, enfatizando que a violência contra a mulher é uma violação aos direitos humanos. Como marcos deste elo, estão as datas de 25 de novembroDia Internacional contra a Violência de Gênero – e 10 de dezembroDia Internacional dos Direitos Humanos.

A partir de 2002, esta campanha passou a ser encaminhada no Brasil. No Rio Grande do Sul o Coletivo Feminino Plural tornou-se o Ponto Focal, com a responsabilidade de chamar as organizações não governamentais, movimentos de mulheres, a sociedade, bem como as instâncias governamentais a refletir sobre o tema e a buscar alternativas para o enfrentamento desta grave violação da cidadania e dos direitos humanos das mulheres.

Em 2002, juntamente com o Fórum Municipal da Mulher, Comdim, ACMUN, Maria Mulher, Gapa, APLPS e outras entidades, promoveu ações de monitoramento nos serviços de acolhimento de mulheres e meninas. Foram visitadas a Casa de Apoio Viva Maria, o Presídio Madre Pelletier, o Gapa, o Abrigo para Meninas da Fase e a Delegacia da Mulher, tendo sido realizado debate no final.

Em 2012, a coordenação nacional ficou a cargo de outras organizações nacionais, mantendo-se o Coletivo Feminino Plural à frente de uma agenda no estado, também ao lado de outras entidades. Estamos convidando todas as entidades, movimentos, organizações, não governamentais e governamentais, vinculadas nesta agenda, para reeditar a Campanha dos 16 Dias de Ativismo Contra a Violência de Gênero como uma atividade conjunta do movimento feminista.

Em 2017, o Coletivo Feminino Plural, juntamente com outros coletivos parceiros de Porto Alegre realizaram ação conjunta, visando a unificação e, com isso, o fortalecimento da Agenda de Ações e o maior engajamento da população da cidade. Como estratégia de comunicação e democratização do acesso à informação sobre a campanha foi criado o blog Parem de Nos Matar POA, uma ferramenta de gestão coletiva e colaborativa para o ativismo feminista nas redes.