Núcleo de Estudos da Prostituição e CFP iniciam 2ª fase do projeto Entre Mulheres apoiado pelo Fundo Fale Sem Medo

Projeto Entre Mulheres do NEP é feito em parceria com o Coletivo Feminino Plural

Equipe do projeto Entre Mulheres

Depois de alcançar mais de 150 pessoas com o projeto Entre Mulheres: Construindo uma Agenda Solidária, apoiado pela Fundação Luterana de Diaconia, agora damos início a mais um projeto: o Entre Mulheres, desta vez com o apoio do Fundo Fale Sem Medo – Avon e Fundo Elas. Se antes o objetivo era construir uma agenda puta feminista, agora a ideia é colocar isso em prática e lutar por mais reconhecimento das nossas pautas nos espaços!

Para o Núcleo de Estudos da Prostituição (NEP), o projeto significa fortalecimento e união de todas as mulheres organizadas, pois promove encontros e circula informações. As ações aproximam os movimentos e demonstram a importância da formação de alianças para enfrentamento das demandas das prostitutas que sempre buscaram respeito dos homens e mulheres da sociedade.

Também contribui para construção de agendas coletivas e inclusão da agenda das prostitutas nas agendas dos movimentos feministas e de mulheres, entre outros, e assim pensar juntas em políticas públicas para redução da violência, preconceito e discriminação contra as mulheres;

O projeto surgiu para unir as lutas entre o movimento de prostitutas (NEP) e os movimentos feministas e de mulheres que lutam pelos direitos das mulheres. Diretamente, o projeto beneficia as prostitutas em seus locais de trabalho (boates, salas de programas, ruas, praças, etc.) e no NEP, em Porto Alegre, onde são incentivadas a denunciar caso de violência e a participarem das atividades dos movimentos de direitos humanos, feministas e de mulheres em geral. Dessa forma, o projeto também beneficia outros movimentos envolvidos nas atividades, unindo forças e lutas.

Em geral as mulheres prostitutas envolvidas no projeto, participam do NEP no mínimo há cinco anos, apenas 10% destas estão iniciando na profissão, o tema do feminismo foi bem recebido entre as mulheres que historicamente sofrem com o preconceito moral de outras mulheres que discriminam o exercício da prostituição como trabalho; A discussão foi importante para unir e fortalecer o diálogo solidário entre os movimentos, por fim, esperamos que a inclusão do tema da prostituição nas agendas dos movimentos feministas tenha contribuído para a redução do estigma e preconceito contra as mulheres que atuam na prostituição.

Post a Comment

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support