QUEM SOMOS

O Coletivo Feminino Plural de Porto Alegre (RS/Brasil) é uma organização feminista não governamental fundada em 1996 por um grupo de mulheres identificadas com a luta pelos direitos humanos e cidadania de mulheres e de meninas.

Atuamos no movimento de mulheres por meio de articulações locais, regionais, nacionais e internacionais, integrando redes e campanhas, propugnando por políticas públicas, o cumprimento dos instrumentos nacionais e internacionais de direitos humanos das mulheres e o fim de todas as formas de violências e discriminações sobre mulheres e meninas.

Trabalhamos pelo empoderamento feminino, entendido como a possibilidade de dominar linguagens, símbolos, ferramentas, que permitam o exercício do poder e decisão e livre circulação nos mundos público e privado. Participa de espaços de poder e decisão e atua no controle social das políticas públicas. Integra grupos de relatoria e monitoramento das Convenções e Tratados Internacionais. Presta assessoramento e consultoria sobre políticas públicas, ministra cursos e capacitações.

Confira o Estatuto do Coletivo Feminino Plural 2017 aqui: Estatuto

 

Nossa Missão:

Contribuir para o empoderamento das mulheres e das meninas, promovendo seus direitos humanos e sua cidadania plena, com respeito às diferenças e à justiça social.

 

Coordenação do Coletivo Feminino Plural

 

Coordenadora Executiva: Leina Peres Rodrigues
Coordenadora de Secretaria: Elisandra Carolina dos Santos
Coordenadora de Finanças: Mariza Iracet
Coordenadora de Projetos: Teresa Cristina dos Santos Bruel
Coordenadora de Comunicação: Roberta Mello de Oliveira
Suplentes de Coordenação: Neusa Selma Lyrio Heinzelmann  e Daiane Lopez Peixoto

Conselho Fiscal: Fátima Maria de Freitas Soares, Renata Gonzatti e Evelyn Monica Canizares

Conselho Consultivo: Vanessa Rodrigues da Silva, Vilaine Capellari, Terezinha Maria Woefel Vergo, Greice Cavalheiro, Marlene Strey, Branca Chedid e Fátima Beatriz da silva Maria.

Colaboradoras

Vanessa Bayo da Silva
Telia Negrão
Rossana Klippel
Renata Cieslak
Marlene Strey
Clara Glock
Camila Silva

Participações e parcerias

 

Conselhos: Conselho estadual dos Direitos da Mulher/RS, Conselho Municipal dos Direitos da Mulher/POA, Conselho Municipal de Saúde/Cismu/POA.
Fóruns: Fórum Municipal da Mulher, Fórum Estadual da Mulher, Fórum da Criança e do Adolescente, Fórum Ong Aids, Movimento pelo Fim da Violência e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e Fórum pelas Liberdades Laicas.
Em nível nacional: Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos (Sede da Regional do RS), Movimento Nacional de Direitos Humanos, Observatório pela Implementação da Lei Maria da Penha.
Em nível internacional: Associada à Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe (RSMLAC); Associada à Rede Mundial de Mulheres pelos Direitos Reprodutivos; Associada à Campanha por uma Convenção dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos; Associada à Associação para os Direitos da Mulher no Desenvolvimento (AWID).

 

Marcos teóricos

 

CEDAW – Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação à Mulher – CEDAW/1984

Declaração de Direitos Humanos de Viena – Convenção Mundial sobre Direitos Humanos de Viena – 1993

Plataforma de Ação Mundial para a Mulher – Beijing 1995

 

POLÍTICA DE ASSOCIADAS

O Coletivo Feminino Plural de Porto Alegre (RS/Brasil) é uma organização feminista não governamental fundada em 1996 por um grupo de mulheres identificadas com a luta pelos direitos humanos e cidadania de mulheres e de meninas. Atuamos no movimento de mulheres por meio de articulações locais, regionais, nacionais e internacionais, integrando redes e campanhas, propugnando por políticas públicas, defendendo o cumprimento dos instrumentos nacionais e internacionais de direitos humanos das mulheres e pelo fim de todas as formas de violências e discriminações sobre mulheres e meninas.
Trabalhamos pelo empoderamento feminino, entendido como a possibilidade de dominar linguagens, símbolos, ferramentas, que permitam o exercício do poder e decisão e livre circulação nos mundos público e privado. Participamos de espaços de poder e decisão e atuamos no controle social das políticas públicas. Integramos grupos de relatoria e monitoramento das Convenções e Tratados Internacionais. Prestamos serviços de execução, assessoramento e consultoria de políticas públicas. Ministramos cursos e capacitações.
Temos a missão de contribuir para o empoderamento das mulheres e das meninas, promovendo seus direitos humanos e sua cidadania plena, com respeito às diferenças e às justiças de gênero e social.
Poderão ser admitidas como sócias efetivas, conforme estatuto vigente, todas as mulheres que concordarem com seu programa e seu estatuto e se disponham a defendê-los. O ingresso no quadro social se dará através de preenchimento de ficha de filiação abonada por uma associada ou pela coordenação.
A qualidade de associada é pessoal e intransferível. Conforme o art. 57 do Código Civil, a exclusão da associada só será admissível havendo justa causa, assim reconhecida em procedimento que assegure direito de defesa e de recurso.

São direitos das sócias:
a) Frequentar a sede da entidade, utilizando suas dependências e serviços, desfrutar de seus benefícios, de acordo com normas internas;
b) Tomar parte das reuniões e das assembleias gerais com direito a voz e voto;
c) Recorrer das decisões em órgão de deliberação e interpelar a coordenação sobre todos os assuntos referentes à entidade;
d) Eleger e ser eleita para coordenação, bem como indicar novas associadas.

São deveres das sócias:
a) Zelar pelo bom nome da organização e pela aplicação de seu estatuto;
b) Auxiliar na implementação de suas decisões e objetivos, acatando as decisões das assembleias;
c) Pagar contribuições financeiras de acordo com o estabelecido em assembleia geral;
d) Participar assiduamente da vida da organização, de suas reuniões e atividades diversas, e estimular a criação de outras organizações locais de mulheres.
e) Cumprir o código de ética da organização.

 

Leia o nosso código de ética CFP

Conhecimento é Poder Acervo Enid Backes
Conhecimento é Poder  Rupi Kaur
Conhecimento é Poder Marcia Tiburi
Conhecimento é Poder Judith Butler
Conhecimento é Poder  Conceição Evaristo
Conhecimento é Poder Conceição Evaristo (2)
Conhecimento é Poder Érica
Conhecimento é Poder Adriana Carranca
Conhecimento é Poder Rupi Kaur (2)
Roberta Coimbra A luta das mulheres agricultoras - Parte 2
Lelei Teixeira A luta das mulheres com Nanismo - Parte I
Carolina Santos E a luta das mulheres com deficiência
Malu Pereira de Oliveira E a luta por políticas públicas
Lelei Teixeira A luta das mulheres com Nanismo - Parte II
Lelei Teixeira A luta das mulheres com Nanismo - Parte III
Adriana Deffenti E a música Controversa
Daniela Alves da Silva O que é o SLAM - Parte I
Em pauta: Aborto
Juliana Luise Costa A descoberta do Slam das Minas/RS
Lígia Lasevicius A Culpa que não é da Moça - Sarau Eva Diva
Malu Pereira de Oliveira A luta por políticas públicas
Monique Machado A luta das mulheres negras - Parte I
Gritaram-me negra! A luta das mulheres negras - Parte II
Monique Machado A luta das mulheres negras - Parte III
Dr. Leonardo Botelho entrevista: Mulheres que vivem com Dor
Poesia contamina Slam das Minas e do Ventre Livre no Mês 8M
Priscila Leote A luta das mulheres LBT
RS e a cultura da rua SLAM Parte 2
INSTAGRAM
FACEBOOK
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support