As cidades foram feitas para as mulheres? A pergunta é motor fundamental do longa-metragem “Chega de Fiu Fiu”, exibido pela primeira vez em Porto Alegre de forma gratuita no dia 7 de julho. A sessão ocorre às 14h30min, na sala Hermes Mancilha da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ) – Rua dos Andradas. 736, 4º andar, faz parte das ações do Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão, gerido pelo Coletivo Feminino Plural.

Após a exibição do filme, será feito uma roda de conversa sobre qual o lugar das mulheres nas cidades e relações de gênero. Haverá distribuição de 40 senhas (preferenciais às meninas e mulheres em suas diversidades) a partir das 14h.

Com direção de Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão, o documentário foi produzido em parceria com a Brodagem Filmes e integra campanha homônima (#chegadefiufiu) criada em 2014 pela organização Think Olga, trazendo ao centro do debate questões como o assédio e o direito das mulheres ao espaço público.

Sobre o filme:
“Chega de Fiu Fiu” narra a história de Raquel, Rosa e Teresa, moradoras de três cidades brasileiras, que, por meio de ativismo, arte e poesia resistem e propõem novas formas de (con)viver no espaço público. O filme explicita como a participação das mulheres no espaço urbano é marcada por insegurança.
“Entraves como a falta de iluminação, lugares ermos, a dificuldade de mobilidade, longas distâncias na locomoção de casa ao trabalho, ausência de creches e péssimo atendimento em serviços de saúde e segurança seguem como catracas visíveis e invisíveis do acesso das mulheres às cidades. Tais entraves revelam o quanto as cidades foram construídas sem a perspectiva de gênero e agravam ainda mais as violências sofridas pelas mulheres, como o assédio”, diz Amanda Kamanchek, diretora do documentário. “O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público. A pergunta que nos fizemos ao longo de todo o filme é ‘qual é o lugar das mulheres nas cidades?’”.

Execução
Coletivo Feminino Plural

Comitê Gestor
Ilê Mulher, Cirandar, Inclusivass, Mirela Kruel, Andressa Cantergiani e Carolina Pommer, Inclusivass, Rede Feminista de Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos

Apoio
Rede RS dos Pontos de Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel), Governo do Estado RS, Ministério da Cultura, Governo Federal